Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2021

IoT reduz custo de manutenção em até 40% na indústria

Imagem
Se não forem bem cuidados, seja em diferentes setores, como mineração, petroquímico, energia, papel, alimentício, farmacêutico, transporte, os altos gastos com manutenção podem prejudicar a lucratividade. Para conseguirem novas maneiras de aumentar a produtividade de suas operações, algumas empresas já começaram a desenhar sua jornada para a Indústria 4.0. Para driblar o alto grau de incerteza do último ano, o baixo crescimento, e outros desafios com matérias-primas, que se tornaram mais caras ou difíceis de obter, as indústrias entenderam que precisavam extrair o máximo valor possível dos seus ativos – que são os bens sobre os quais uma empresa pode ter controle, como ferramentas, máquinas e motores, matéria-prima, equipamentos de TI, entre outros. De acordo com dados da consultoria Mckinsey, manutenção preditiva consegue reduzir o tempo de inatividade das máquinas em até 50% e aumentar a vida útil em 20% a 40%. Segundo dados da consultoria McKinsey, a manutenção preditiva, aprimora

Habitações espaciais poderão ter estruturas à base de grafeno

Imagem
De olho na demanda em potencial para assentamentos humanos além da Terra, resultante da cada vez mais crescente exploração do espaço, especialistas da Universidade de Manchester se uniram à companhia de arquitetura global Skidmore, Owings & Merrill (SOM) para desenvolvimento de projetos e fabricação de habitações espaciais. E, para isso, os cientistas farão uso de um dos materiais mais fortes e leves do mundo, e o mais fino que existe, que é 200 vezes mais resistente que o aço e considerado um dos maiores recursos da atualidade para aplicações em alta tecnologia: o grafeno. Em um estudo de colaboração internacional, Vivek Koncherry, pesquisador doutor da Universidade de Manchester, e sua equipe – apoiados pelo Graphene Engineering Innovation Center (GEIC) – estão criando um protótipo em escala de um habitat espacial com vasos pressurizados projetados para funcionar em um ambiente espacial. Arquitetos da SOM, que estão por trás do edifício mais alto do mundo – Burj Khalifa, em Dubai

Sensores, IIoT e super apps: o futuro da indústria 4.0

Imagem
Na última década, a indústria 4.0 vem sendo um dos temas mais pautados, discutidos e idealizados por todas as empresas que participam dos processos produtivos e prestam serviços à indústria. Fabricantes de soluções para automação e controle de processos de fabricação vêm tentando materializar o conceito provendo informação certa, no tempo certo, para a pessoa certa, como ferramenta para que as decisões sejam tomadas com maior embasamento, velocidade e segurança. A demanda por produtos de maior qualidade e menores preços tem forçado a indústria a uma busca constante por processos mais enxutos, eficazes e eficientes. Melhoria de indicadores como OEE (Overall Equipment Effectiveness), que mede a produtividade de uma máquina e/ou processo, tem sido perseguida arduamente por plantas de todos os portes, em diversos segmentos de mercado. Sensores inteligentes, comunicação IIoT e softwares com conceito de super apps viabilizam o aumento na produtividade, disponibilidade e a qualida

Ford dos EUA consolida uso de espuma de poliuretano com grafeno

Imagem
Componentes automotivos estão na linha de frente das aplicações de polímeros cogitadas no Brasil para incorporação de grafeno, nanocarga mineral de alto poder reformulador de características técnicas e que está em vias de ganhar escala comercial no Brasil, sob a escora de grandes reservas de sua matéria-prima, o grafite.   Uma amostra dos avanços proporcionados pelo grafeno é a sua presença numa espuma de poliuretano especificada pela Ford para todos os autos que monta nos EUA, em linha com sua permanente busca de redução de ruído e peso dos veículos, conforme noticiado pelo portal Icis.   Carros da montadora norte-americana já adotam o material desde 2018 O desenvolvimento da espuma e seu uso envolveu, além da montadora, a fornecedora de grafeno XG Sciences e a sistemista Tier 1 Eagle Industries. O primeiro passo foi a incorporação do grafeno ao poliol poliéter que, somado a isocianato, gera o poliuretano. A etapa marcou pelo desafio de dispersar o nanomaterial num polímero viscoso se